Páginas

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Sinto



Triste. Esse sentimento sempre me motiva a vir aqui, não sei porque. Ele comanda meus dedos, minha vontade é desabafar tudo que esta entalado na minha garganta.



Chorar. Isso já fiz demais hoje.


Coloquei num filme, de inicio bobo: “Grande Menina, Pequena Mulher” e desabei...todas as lágrimas possíveis saíram dos meus olhos. E o filme que parecia bobinho se mostrou sensível e inteligente. Gostei.


Agora mais relaxada, tenho vontades:


De falar,


De pegar,


De sentir,


Conversar,


Ser ouvida, tocada, querida, acarinhada, notada, etc, etc, etc................


Será que quero demais? Exijo muito?


Mas o orgulho, esse sentimento vil que toma conta de algumas pessoas ditando atitudes que sinto que não querem tomar, mas que por conta desse sentimento tomam e pegam carona num sentido que muitas vezes se arrependerão depois, mas como as experiências boas ou ruins são para serem vividas única e exclusivamente pela pessoa, não convém nessas horas conselhos ou achismos, apenas deixar o outro livre para viver da forma que acha mais conveniente no momento.


Mas eu sinto. Muito.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Sapinha Fervida

(Nao sei de qm eh o texto, recebi por email, me identifiquei e estou compartilhando com vcs para q se houver mais algum sapinho fervido entre nós q se identifique ou nao, mas q saia, ou melhor q pule da agua quente antes de morrer inchadinho, acostumado com o calor e sem perceber o q está acontecendo.
Confesso q me identifiquei muitoooo com o sapinho, quero pular do caldeirão! Mas e as minhas forças cade???)




"Vários estudos biológicos provaram que um sapo colocado num
recipiente com a mesma água de sua lagoa, fica estático durante todo o tempo em que aquecemos a água, até que ela ferva. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura (mudanças do ambiente) e morre quando a água ferve.
Inchadinho e feliz.


No entanto, outro sapo, jogado nesse mesmo recipiente já com água fervendo, salta imediatamente para fora, meio chamuscado, porém, vivo!


Existem pessoas que têm comportamento similar ao do SAPO FERVIDO.
Não percebem as mudanças, acham que está tudo bem, que vai passar, que é só dar um tempo… e, muitas vezes, fazem um grande estrago em si mesmas,"morrendo" inchadinhas e felizes, sem, ao menos, ter percebido as mudanças.
Outras, ao serem confrontadas com as transformações, pulam, saltam,em ações para implementar as mudanças necessárias. Encorajam-se diante dos desafios, buscam a melhor saída para a solução dos problemas, tomam atitudes.


Há muitos "sapos fervidos" que não percebem a constante mudança do ambiente a sua volta e se acomodam, à espera de que alguém resolva tudo por eles; esquecem-se de que mudar é preciso, principalmente se essa mudança beneficia toda uma coletividade.


Essa teoria encaixa-se em todas as situações de nossa vida: pessoal, afetiva e profissional.
Devemos ter a consciência de que, além de sermos eficientes (fazer certo as coisas), precisamos ser eficazes (fazer as coisas certas), criando espaços para o diálogo, o compartilhamento, o planejamento, o espírito de equipe, delegando, sabendo ouvir, favorecendo o nosso próprio crescimento e o daqueles com quem convivemos, seja na família, no trabalho ou na comunidade em geral.


O desafio maior, nesse mundo de mudanças constantes, está
na humildade de atuar de forma coletiva. Precisamos estar atentos para que não
sejamos como os Sapos Fervidos. Pulemos fora, antes que a água ferva. O mundo
precisa de nós, meio chamuscados, mas vivos, abertos para mudanças e prontos
para agir."

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Medo


Medo. Tenho alguns. Mas não falo sobre eles para não atrair, sei la.



Mas um eu vou ter que falar, que é o medo de dormir “sozinha” no escuro. Isso é um dos meus medos. Ainda mais se assisti antes um terrorzinho básico, aí é fogo. É banheiro do quarto aceso e uma coberta leve.


É estranho isso porque vejo crianças que já dormem com a luz apagada, mas eu não.


Tudo bem que se não estou só não vou ter medo. Acho que é coisa de mulher isso. Ou coisa de mulher boba como eu. Mimada, romântica, sensível, boooobaaa.


Se sentir sozinha sem estar é o que há de pior. Procurar apenas uma mão e não encontrar.






E vocês tem medo de que?

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Será mesmo a pessoa certa?



Pessoa certa! Quem não quer encontra-la? Só um louco, um insano.



Ta certo que isso é muito complexo porque enquanto uns se satizfazem em apenas ter alguém para sair, se divertir, beijar na boca, etc., outros precisam de rótulos, namorados, noivos, etc..
As mulheres são campeãs nessa atitude desenfreada de buscar alguém “ideal”. E quando encontram “alguém” querem a todo custo transforma-lo no seu par “ideal”. Fazem a pessoa se adequar ao seu modo correto de relacionamento. Sofrem quando “ele” não entende o que querem da forma que querem.
Geralmente (99%) das vezes não vai dar certao, simplesmente porque não funciona assim.
Como eu já disse aqui, não somos metade de nada. Somos pessoas inteiras e só sendo assim podemos estar preparados para uma relação saudável.
As vezes somos a pessoa certa e estamos com a errada. Mas errada para nós, não nos serve, não gosta das mesmas coisas, não tem pele. Não tem humor. Não combina com a gente. Ou apenas a pessoa certa chegou na hora errada. Ou apenas ela chegou e não percebemos que era ela.


Outras vezes nós não nos encaixamos no ideal que a pessoa preparou para nós.(isso existe minha gente)
Tem vezes que deixamos a pessoa certa ir embora, e quando nos damos conta não tem volta.
Quando pensamos que o outro “é nossa vida”, que “sem ele não vivemos”, com certeza falta maturidade ou até mesmo ajuda profissional porque vivíamos ate ontem muito bem obrigada sem o dito cujo, porque agora ele se tornou uma “parte de mim”?



Não não não.


Outra coisa que vejo aos montes. A pessoa que começa se sentir rejeitada na relação comete os erros que vão realmente levar a sua “metade” embora.


Tentam agradar em demasia.(erro)


Dão presentes. “ah estava passando e lembrei de vc, achei a sua cara e comprei”.(erro)


Ligam a toda hora e perguntam “ta tudo bem?(só falta completar: com a gente?) (erro)
E a pior de todas: param de viver normalmente suas vidas para viver em função de uma relação pesadelo. Dormem e acordam pensando se hoje ainda vai existir a relação. "O que posso fazer a mais para que ele nao termine comigo?"
O friozinho na barriga é de uma ansiedade não saudável, e querer continuar assim é burrice. Todos podemos mais, precisamos de mais. Merecemos mais.


Pode ser baixa auto estima. Tem solução. É só enxergar que tudo isso não é normal e querer ajuda.


Querer qualidade de vida.


Vamos busca-la?






quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Crepúsculo



Esse filme não me sai da cabeça. Engraçado que relutei para assisti-lo por pensar que se tratava de um filme bobo sobre vampiros, sangue, eca.



Mas fiquei encantada. No início parecia que não ia ser bom, mas quando dei por mim estava completamente envolvida (com o olhar do edward) com a estória.


Não sei se é porque estou numa fase carente e vendo o esforço e a vontade dele em proteger sua amada dos bebedores de sangue humano que a querem, me deixou querendo alguem que me protegesse da mesma forma, que me olhasse com a mesma intensidade que ele a olhava.


Que olhar!


Quero um vampiro desse.


Quero Colo



Ai como eu queria uma chuvinha agora, daquelas que duram o dia todo, pegava minha bike e ia para beira do rio. Que delicia!



Mas ta um sol, um calor.
Me bateu uma vontadinha de desabafar. Mas me recuso a ficar triste vendo que tem pessoas com mais motivos que eu pra tristeza e não estão. Mas também sinto que cada um tem a sua hora, em que precisa colocar pra fora para não “explodir” sentimentos ou palavras ruins para as pessoas que nem sabem o que está acontecendo.
Não gosto de demonstrar quando não estou muito bem, é raro acontecer porque geralmente estou bem.


Mas tem hora que preciso de colo de atenção(muita).


Ouço muito que sou forte, bla bla bla, e fico p. da vida, porque não quero ser forte. A vida me fez ser forte, mas sou mulher, e como toda mulher quero e preciso ser “cuidada”.


As feministas que me desculpem, mas não pactuo com o discurso delas. Homens e mulheres são e sempre vão ser diferentes. Até acho que sou um pouco machista, mas fazer o que penso dessa forma.


O problema é que muitos homens estão indo na onda feminista e o “homem de verdade” esta praticamente em extinção.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

E EU? EU GOSTO TANTO DE VOCÊ!

Idiota e Nua



Queria um livro agora! Algo que me distraísse, algo que me fizesse ficar invisível. Mas o que seria melhor mesmo dessas opções seria estar bem longe daqui.

Posto de gasolina! Ô lugar masculino, me sinto uma idiota nesses lugares.
Idem borracharia, oficinas, e lugares do gênero.
Mas como não tenho alguém (um homem) para vir por mim, me sujeito a esse (pra mim) “constrangimento”.


Ah, sei lá, acho, (com meu cérebro machista) que são lugares para homens, podemos até estar junto com eles, mas sozinhas não!


1 porque nos olham como nuas estivéssemos(me sinto assim).


2 porque acham que não entendemos nada desse universo, e que por isso somos idiotas.


Pior que estão meio certos, não entendemos nadinha desses assuntos. Mas não somos idiotas porque admitimos isso. E admitir pode ser um erro.
Os homens parecem que nascem com manual para esses lugares, incrível como conseguem agir naturalmente sem parecerem idiotas.
Então para piorar me sinto uma idiota e ainda por cima nua!
Estou sentada agora nesse momento numa mesinha esperando meu carro ser lavado e procurando nem olhar para ninguém tal é a minha “vergonha” de estar sozinha nesse ambiente tipicamente masculino.


E ainda por cima nua.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Sempre a Chuva.



Essa noite acordei as 4.20 da manhã com uma chuva e um vento muito fortes, mas como amo dormir assim, ouvindo seu barulho batendo nas portas do meu quarto, me levantei para abrir um pouquinho e eu conseguir sentir aquele cheirinho da chuva.



Deitei na cama e pensei um pouco antes de pegar no sono novamente e curti aquele ventinho vindo de fora. Que delicia!


Mas o que foi importante nisso tudo, foi a sensação que senti com a mudança do tempo e em que pensei.


Pensei claro em alguns pontos da minha vida que ainda não estão como eu gostaria. Pensei neles. Pensei em alguns segundos no quanto estava faltando algo muito importante na minha vida.


Sim, sou exigente e gosto de ser assim, me traz a sensação de segurança. Mas também sinto que quando estou numa situação que me é desfavorável(mas não por completo), fico acomodada e não consigo tomar qualquer atitude.


Geralmente quando indagamos a um homem o que o prende a um determinado relacionamento, geralmente ele cita os filhos, cita pra que mexer no que ta “bom”, cita que o sexo o segura, cita tantas coisas. Mas ouvi uma resposta inusitada de alguém, e esse alguém não tem um relacionamento hoje e poderia enfeitar tanto para responder, mas só disse que é imprescindível a admiração e o relacionamento “acaba” quando ela não existe mais, por uma das partes ou por ambas. Choquei. É realmente o que eu penso.


Sei la, mas quando admiramos nosso companheiro, namorado, marido, o amor é verdadeiro, não só da boca pra fora.


O acaba coloquei entre aspas porque o acabar nem sempre, ouso ate dizer que na maioria das vezes não acaba em separação.


Parece simples o que ouvi, mas vindo de uma cabeça masculina, achei perfeito.


Pra mim a admiração é uma condição sine qua non para a paixão perdurar.


Acredito que as pessoas fiquem muito tempo juntas sem essa condição, mas é sofrido. Só temos uma vida, porque tantas vezes desperdiçamos com relacionamentos que não nos pertence, relacionamentos que só nos fazem mal pelo simples fato de não nos tirar os pés do chão. Nos fazem mal pela mesmisse e a não invenção de brincadeiras, de risos, de danças, de romance, de fantasias, de se jogar de cabeça e deixar o parceiro inventar e simplesmente entrar no jogo dele.


Aprender a rir de situações que nos trariam alguma irritação.


Faço isso e dá muito certo.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Bipolar?



Gente. Pessoas. Ou alguém que possa ter a disponibilidade ou a paciência para ler o que escrevo.



Quem me conhece sabe que amo conversar, ou simplesmente falar desde que haja um ouvinte atento. Alias quem me conhece bem sabe que sou cheia de extremos, altos e baixos e num mesmo dia posso brigar “pra sempre” com alguém e mais tarde pedir desculpas e fazer as pazes. Sou assim.


Achava lindo ser 8 ou 80 e sempre deixei claro q sou assim. Mas ontem levei um baque lendo um livro lá na Nobel. Minha área favorita no momento é a psicologia, então peguei um com o titulo bem a minha cara: TEMPERAMENTO FORTE E BIPOLARIDADE. Saí de um estágio de apenas curiosa para o de “paciente”.


Sério. Como diz o Cássio: "choquei perua". Mas choquei mesmo ao me ver descrita no livro de um tal DR Diogo Lara. Foi impressionante constatar que todas as minhas insanidades antes órfãs de pai e mãe agora tem um nome: Bipolaridade.


E como não “devorar” um livro com apenas 124 paginas. Alguns exemplos que ele colocava la se encaixava direitinho em meu comportamento.


Ora sou amável, ora explosiva. Me empolgo tão fácil com coisas novas como me desapego mais fácil ainda. Estou num momento confuso, ou melhor estava numa confusão de sentimentos, de porquês, minha curiosidade esta a mil.


Não que vá mudar muita coisa eu saber disso, como diz Janaina sou “teimosa”, mas estou aprendendo a me conhecer mais a fundo, cometendo portanto, menos erros.


Ate meu “otimismo extremo” que achava eu ser uma qualidade imprescindível, esse medico classifica lá no livro como fazendo parte da vida de um bipolar.


O que me deixou totalmente tranqüila foi saber(pelo livro) q sou de grau leve. Mas também ficaria tranqüila se não o fosse pois essa minha “tranqüilidade excessiva” já soube que também é do bipolar.


Aiai e agora?


Algum “transtornado” ou “normal” quer opinar, contar experiência???

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Amigosssss

oi amigos...
se vcs se identificarem com algum desses aí me mandem nos comentários...rs
apesar de q vou identificar alguns...rs


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

CadÊ o Beijo?

beijos de lingua Pictures, Images and Photos
Cadê o beijaço que vivia sempre aqui?

Nesse post eu gostaria que todos que lêssem dessem um comentário. Sério.
Você conhece “o cara” e ele é justamente o cara porque é perfeito pra você, ou conhece aquela gata, que tem o beijo mais fantástico que você já viu, sentiu. Sentem aquele friozinho delicioso na barriga, amam ficar juntos, rir juntos, fazer tudo juntos e principalmente se beijam como se um fosse engolir o outro. Que delicia. Amo beijar.

Mas num belo dia você se dá conta de que o beijo sumiu. Como assim?
Selinhos eu dou na minha filha, naquela foto que eu adoro, mas me dou conta de que só me restou o selinho. Ou aquele beijinho sem graça, rapidinho. Como assim?
Amo beijar, mas beijo de verdade, mas ele não existe mais. Ele era doce e acabou.
Mas porque?
Continuo amando beijar, e ouso dizer que se ele (o beijo de verdade) sumiu não tenho culpa.
Casais que ficam muitos anos juntos acabam acabando com aquele beijo cinematográfico pouco a pouco. Um vai se deixando acostumar com o outro e não entendo porque, se o amor existe, o beijo que é uma das provas dele, deixa de existir.

Acabou-se o que era doce quem comeu se arregalou-se.

kkkkkkkkkkk

Pensei em não colocar mais emails recebidos aqui, mas esse q recebi da Jana
(so podia né) não posso deixar de postar...rs

Engraçadinho... :)



Depois do bebê nascer, o pai, aflito, foi falar com o obstetra.

"Senhor doutor, estou muito preocupado porque a minha filha nasceu com cabelos ruivos. Não pode ser minha!"
"Que disparate!" disse o médico. "Mesmo que tu a tua mulher ambos tiverem cabelo preto, podem ter cabelos ruivos nos genes da vossa família."
"Não é possível!" insistiu o pai. "Ambas as nossas famílias têm tido cabelos pretos há muitas gerações."
"Bem," disse o médico "tenho de perguntar... Com que frequência tu e a tua mulher praticam sexo?"
O homem, envergonhado, respondeu: "Este ano tenho andado cansado de trabalhar muito. Só fizemos amor uma ou duas vezes nos últimos meses."
"Então aí está!" disse o médico confiante. "É ferrugem!"

CUIDADO PARA NÃO DEIXAR ENFERRUJAR........RSRSRSRSRSRSRSRS!!!!








terça-feira, 6 de outubro de 2009

Histórinha



Como começar esse texto se não consigo nem enxergar a tela do pc...


É uma história pequena, ela durou apenas 10 anos, e foi suficiente para uma amiga ser feliz, triste, humilhada, feliz, triste.
Ela era uma menina com apenas 21 anos, acho hoje, vendo depois de tanto tempo que ela era uma imatura criança, que de tão imatura não pensou nas conseqüências de entrar de cabeça num relacionamento com um homem 27 anos mais velho.
Não viu nada de mais, ele era galante, a surpreendia muito, viajavam juntos, ela o acompanhava até mesmo quando ele viajava a trabalho. Mesmo tendo uma vida, ela deixou todos os sonhos e planos próprios para viver a vida de alguém que já havia vivido o suficiente para saber que ela tinha que continuar com a sua vida também, mas ele não abriu os olhos dela. Para ele tava bom assim.
Ela foi morar na casa dele e tudo ia bem até que ela engravidou, ela ficou tão feliz, mas ele tinha outros planos. Graças a Deus ela não consentiu com a idéia monstruosa, e a princesinha nasceu.
Mas já que minha amiga engravidou e tomou a decisão de ir em frente com a gravidez, tudo mudou.
Era deixada de lado, nem nas viagens a trabalho ela ia mais. Parecia que ele tinha raiva dela e fazia questão de demonstrar isso com atitudes grosseiras, falta de interesse, humilhações mesmo.
Mas amiga você era maior de idade, eu perguntava porque não saía de la?
Porque não abandona esse homem que a fazia tanto mal?
Ela não sabia me responder.
Perguntei se ela tinha regalias, e ficava para não perdê-las. Mas nem perto disso, ela nesse período só sofria mesmo, senão com palavras horríveis ou com atitudes impensáveis.
Mas ela ficou, ficou ao lado desse homem.
Graças a Deus ela conseguiu entrar pra faculdade. E seus olhos foram pouco a pouco se abrindo.
DEZ ANOS depois ela conseguiu se separar. Confesso que ela não sentiu muito não. Foi a melhor atitude que ela tomou e se pergunta até hoje porque demorou tanto, mas isso nem quem passa sabe explicar.
Hoje são amigos. Aliás bastante amigos. A princesinha cresceu, linda inteligente(ate demais) e graças a Deus, houve essa separação para que a amizade pudesse vir. Se relutassem em se separar e fossem tentando só aumentaria uma magoa que hoje com certeza se transformaria em ódio.
Esse texto ia por um outro caminho quando parei, tomei uma água e repensei. Já consigo ver a tela do pc. Estou bem, feliz. E feliz pela minha amiga.



                                    Sorte a todas nós!!!

Uhun



Oba! Chuva, cafézinho da tarde, boas noticias, coisas boas, minha piscina ficando limpa, meu carro com pastilhas de freios novas, aiai, só tenho alguém a agradecer.



Obrigada meu Deus!
Tava tomando um cafezinho agora e falando que nem uma baitaca(seja la o q isso for), e percebi que a pessoa sentada na minha frente as vezes dizia “uhun”, as vezes “é né”, as vezes ria, mas um sorrisinho que não me convencia.
Pensei em fazer uma nova faculdade. Pensei em FILOSOFIA. Quero falar com pessoas que pensem e entendam o que falo. Quer chamar de loucura, pois chame, mas que culpa tenho eu desse desejo imenso que trago dentro de mim de querer saber mais dessa vida. Querer “tentar” entender coisas alem do nosso cotidiano, alem do nosso mundinho.
Quando estou divagando com alguém que me entende e entende o que estou falando é muito bom, sinto uma adrenalina que se assemelha a um orgasmo, de tão bom que é. To falando sério. Adoro conversas sobre o lado da vida que não tem explicação. E que tentamos com conversas malucas para alguns(mas não pra mim), dar um sentido, um parecer, um achismo. Tentar dar um sentido ao que aparentemente não tem. Enxergar coisas que outras pessoas não vêem. É muito bom. Mas aí você tem que encontrar pessoas com esse mesmo gosto, pois senão vai divagar sozinha e no máximo vai ouvir um “uhun”.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Vai Passar





Hoje o dia começou COMO TODOS OS OUTROS DIAS: graças a DEUS acordei muito bem humorada, tomei café com a manú e fomos andar de bike. Que delicia. Ainda mais naquela ciclovia na beira do rio, é magnífico. Amo rio. Amo a natureza. Amo estar com a manú. E amo a liberdade que a bike proporciona.



Que dia maravilhoso.


Mas infelizmente "me deixo" afetar por pessoas que estão por perto, mas não tem nada a acrescentar na minha vida. Apenas mágoas. E essa pessoa tem o poder de me por pra baixo. Mas não é ele quem tem o poder, eu concedo isso a ele. Porque quem comanda minha vida sou eu. Mas vai falar isso para o ingênuo do meu coração. Coitado, tão bobinho.


Mas eu sei que isso que to sentindo agora vai passar, e outras magoas virão se eu, a protagonista da minha vida não fizer algo a respeito.


Vou fazer.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Surpresa e Decepção


Tenho uma super amiga. E achei hoje muito oportuno falar dela.



Ela é uma pessoa expetacular, bom humor, linda, cheirosa, engraçada, dança bem, fala sobre todos os assuntos, é companheira, etc. etc. etc.


Ela está numa das melhores fases da vida dela, mas está numa montanha russa de emoções que oscilam entre surpresas e decepções.


Surpresa, porque ultimamente o namorado dela tem feito coisas surpreendentes para ela com certa freqüência. Decepção, porque com as surpresas ela espera que venham atitudes condizentes com o que ele faz, mas não vem. E nem sempre vem.


As vezes esperamos demais atitudes de uma pessoa que nunca vai as ter, simplesmente porque não é dele, não faz parte da sua essência te-las, mas queremos e sofremos quando essas atitudes não vem. Ao invés de querer moldar o cara, porque não trocar por alguém que seja compatível a você. Porque existe, mas muitas vezes não temos paciência nem coragem para mudar.




Amiga tenha coragem, experimente, tente. O novo assusta, mas pode mudar sua vida! Você merece mais! É só você querer mais!
Você quer? Tem coragem?
Boa Sorte!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Mulheres



Recebi um email agora sobre as mulheres. Entre elas as famosas. Mas o intuito do email era nos fazer enxergar a beleza da mulher forte, que traz no rosto as marcas de cada dia, que não tem vaidade porque suas lutas não as deixam ter. Sofrem para criar os filhos, porque muitas vezes mesmo casadas o fazem sozinhas. Dessas existem aos milhares. É sofrido porém valoroso.



Mas senti um iceberg de tristeza me inundando a cada mulher valente e forte que os slides iam me mostrando. Era tanto sofrimento estampado em seus rostos. Isso tudo para creio eu fazer com que amemos cada vez mais a nossa vida de uma forma intensa e com a certeza de que os nossos problemas se tornam nada comparados aos delas. É triste.


Mas da uma impressão de que se não sofremos como elas não temos o valor que elas tem.


Já ouvi muita gente dizer: “eu com a sua idade ia pro sol quente na roça...bla bla bla...”


Nunca ninguém morreu por trabalhar, concordo. Mas se eu não preciso me matar hoje e ser uma daquelas mulheres dos slides parece que não batalho pelo que quero. Ai sei la, existe uma cobrança muito forte. Com 13 anos comecei atrabalhar, fui babá, amava o que fazia e tenho muito orgulho do que fui. Mas muita coisa mudou de la pra cá.


Terminei a faculdade e daí?


Sempre vem um bombardeio de perguntas tipo: “vc já passou na oab” "não eu não prestei o “exame da ordem”. Nem sei quando vou prestar. Estou prestando alguns concursos públicos."


“Ah é?” e fazem uma cara que parece que não to nem aí pros 5 anos que passei na faculdade.


Cada um tem seu tempo. Cada um sabe o que faz com a sua vida. Não preciso ser uma mártir pra ter valor. Faço tanta coisa no meu dia a dia que imagino que tenha muita gente com emprego fixo que não faz.


Apenas fica pulando do orkut pro msn, agora esse tal de twiter e trabalhar mesmo quando sobrar um tempinho.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Friozinho na barriga



Já cansaram de ler que não gosto de nada morno. Alias isso chega me fazer mal. Mas tem uma amiga minha que esta passando por isso na relação dela.



Se disse que não gosto de “nada” morno imaginem uma relação “morna”.


Agora o que significa isso na prática?
Claro que com o tempo as coisas vão se ajeitando, vamos sabendo os gostos mais íntimos do parceiro, vamos convivendo com “o escovar os dentes juntos” e isso vai deixando a relação muito mais “confiante”, mas ao mesmo tempo vai tirando todo o friozinho na barriga que sentimos no começo dela.
Mas aí que ta, temos que tentar aproveitar todas as fases do relacionamento, curtir cada uma delas, porque depois que “pular” de fase não tem como voltar na anterior.


Nessa hora que muitos procuram a dita “aventura”, pra poder sentir novamente sensações que por conta da confiança, da solidez do relacionamento deixamos ir embora.
Mas pensando bem não deveríamos nos deixar acostumar com certas coisas quase que inevitáveis. Eu digo quase porque se quizermos da sim pra evitar.
Pensa bem:
Banheiro. É uma coisa inevitável, mas não precisamos usa-lo na frente do parceiro(o pior é que o meu fica bem em frente a cama, todo de vidro).
Intimidade é uma coisa, agora, ficar toda relaxada em casa porque não vamos sair, usar aquela mascara horrorosa só porque ele gosta da gente de qualquer maneira. Ah ta. Ate quando.
Ele também, ficar cuspindo, cortando os pelinhos do nariz e arrotando na nossa frente só porque gostamos dele e é isso que importa. Vai nessa.
Podemos e devemos ser adultos, termos nossos compromissos mas podemos fazer tudo de uma forma leve, descontraída. Se esquecemos de fazer uma coisa importante(pode acontecer), pra que discutir, dizer que sabemos o quanto é descuidado, ou ao invés disso levar numa boa, ninguém é perfeito.
Agora sobre o “friozinho na barriga” não vamos deixar avançar essa fase não. Mesmo com toda amizade e confiança que possamos ter, vamos sempre deixar algo em mistério, usar o banheiro no outro quarto, propor coisas inusitadas, preparar surpresas. Alem do básico, mas básico mesmo: estar sempre cheirosos(homem e mulher), sorridentes, prontos para aquelas fantasias(não só sexuais) por mais doidas que pareçam.
Agora se a coisa está morna, pode até tentar reverter e se tiver vontade de ambas as partes pode dar certo. Mas aquela famosa frase ainda é bem vinda: quando um não quer, dois não brigam, dois não amam, dois fazem ou não dar certo.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

FAÇA DIREITO EM 1 MINUTO

(esse email recebi da ju diniz, achei engraçado, to postando p vcs, apesar de q quem nao fez direito pode nao achar a menor graça...rs mas vai assim mesmo...rs)



Problemas com a Justiça? Você lê uma sentença e fica completamente perdido? Acha a linguagem forense de outro planeta?
ENTÃO, MANO, SEUS POBREMAS ACABARO: VAI AI UMA TRADUÇÃO DOS IMPORTANTE DIALETOS JURíDICO PARA A LíNGUA DOS MANO, CERTO?
1- Princípio da iniciativa das partes - 'faz a sua que eu faço a minha'..
2 - Princípio da fungibilidade - 'só tem tu,vai tu mesmo' (parte da doutrina e da jurisprudência entende como sendo 'quem não tem cão caça com gato').
3 - Sucumbência - 'a casa caiu !!!' ou 'o tambor girou pro seu lado'
4 - Legítima defesa - 'tomou, levou'.
5 - Legítima defesa de terceiro - 'deu no mano, leva na oreia'.
6 - Legítima defesa putativa - 'foi mal'..
7 - Oposição - 'sai batido que o barato é meu'.
8 - Nomeação à autoria - 'vou cagoetar todo mundo'.
9 - Chamamento ao processo - 'o maluco ali também deve'.
10 - Assistência - 'então brother, é nóis.'
11 - Direito de apelar em liberdade - 'fui!' (parte da doutrina entende como 'só se for agora').
12 - Princípio do contraditório - 'agora é eu'.
13 - Revelia, preclusão, perempção, prescrição e decadência - camarão que dorme a onda leva'.
14 - Honorários advocatícios - 'cada um com seus pobremas'.
15 - Co-autoria, e litisconsórcio passivo - 'passarinho que acompanha morcego dá de cara com muro (ou dorme de cabeça para baixo)'
16 - Reconvenção - 'tá louco, mermão.A culpa é sua'.
17 - Comoriência - 'um pipoco pra dois' ou 'dois coelhos com uma paulada só'.
18 - Preparo - 'então..., deixa uma merrequinha aí.'
19 - Deserção - 'deixa quieto'.
20 - Recurso adesivo - 'vou no vácuo'.
21 - Sigilo profissional - 'na miúda, só entre a gente'.
22 - Estelionato - 'malandro é malandro, e mané é mané'..
23 - Falso testemunho - 'X nove...'.
24 - Reincidência - 'p.o.r.r.a mermão, de novo?'.
25 - Investigação de paternidade - 'toma que o filho é teu'.
26 - Execução de alimentos - 'quem não chora não mama'.
27 - Res nullius - 'achado não é roubado'.
28 - De cujus - 'presunto'.
29 - Despejo coercitivo - 'sai batido'.
30 - Usucapião - 'tá dominado, tá tudo dominado'.


PRONTO, AGORA VOCÊ NÃO PRECISA FAZER 5 ANOS DE FACULDADE!


Em coisas insignificantes é que um verdadeiro amigo se avalia.






(Camilo Castelo Branco )

Que dessa vez seja diferente.



Os ditos hormônios! Como eles influenciam a vida das mulheres, inclusive a minha.



Ta, quem me conhece bem sabe que as vezes pego pesado, mas só por não admitir certas coisas.


Já disse aqui mesmo que as mulheres depois que começam um relacionamento, quase que se anula para viver em função das “coisas” do amado. Eu mesma já fiz muito isso. Desmarquei um cursinho aqui, deixei de ir ao cinema com as amigas ali, entre outras coisas, tudo porque “ele” me ligava em cima da hora e queria me ver, ou sem avisar passava em casa, ou simplesmente porque não gostaria que eu saísse. Já cedi a muitas “chantagens” veladas em razão do dito amor da minha vida. Alias atire a primeira pedra a doida que nunca fez isso.


E eles? Quantos programas já combinados com amigos ele deixou em razão de você ter aparecido de surpresa? Nenhum, ne? Não aparecemos de surpresa. Mas se aparecêssemos duvidooo que eles deixassem o programa já marcado de lado.


Já falei muito com uma amiga a respeito disso, concordamos que fazemos isso(eu não faço mais), e concordamos também que no inicio é até bom, ficamos juntinhos num dia inesperado, ou fazemos a vontadinha do nosso mor ne? Mas vai saturando, ele começa a perceber que tem o poder de manipular onde vamos, com quem falamos e que tudo gira em torno dele. Cilada pura! Ou a menina se cansa ou vira “escrava” do seu amor. Não, não é exagero não, isso acontece aos montes.


Na maioria das vezes “ele” se cansa da namorada super disponível e parte para conquistas, mas sem deixar o namoro, porque é conveniente de certa forma. Eu não vejo conveniência alguma, mas homem pensa muitooo diferente da gente, então é conveniente.


Na verdade to só desabafando, porque to vendo isso acontecer com uma amiga. E não adianta eu abrir a boca pra dizer que ela esta agindo dessa forma, porque ela não vai nem querer saber, ela quer agir assim, conseqüências vemos depois se tiver alguma ne amiga?


To triste por isso, por toda nossa conversa jogada na lata do lixo. De nada adiantou. Não valeu para crescer nesse aspecto ne?


Mas vai em frente, dessa vez pode ser diferente.


Boa sorte!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Mais um Pouquinho

Estou eu aqui ainda matutando sobre as relações humanas.

O fim do namoro da minha amiga me deixou tão triste, mas também ela está agora aberta a oportunidades.
Aí que ta, essas oportunidades aparecem, até já apareceram, mas e aí?
O ruim é ficar testando uns e outros agora ate o perfeito imperfeito aparecer e se encaixar e começar tudo de novo...cansa viu.
Eu a entendo. Alias penso como ela e como milhares de mulheres que estão por aí no mundo. Porque é tão difícil de entender? Porque é tão difícil enxergar o próprio erro em razão de uma relação que não se encontra aos montes por aí.
Sei que ela não é nem uma pessoa fácil de lidar também, até por isso eles se dão tão bem.
São iguais até nos defeitos.
Mas ela é mulher. Foi conquistada.

Agora teria que ser cultivada, porque conquistar é prata, cultivar é ouro.
Vale a pena?

Será realmente o Fim?


Como eu imaginava o fim do namoro daquela minha amiga chegou. Eu sabia. Ela também. Ele também.

O pior é que não teve briga, ninguém pegou ninguém traindo, eles ainda se amam, mas não da.
Sei la, se fosse com outro tipo de mulher poderia dar certo e muito certo. Mas não com essa minha amiga. Ela quer e precisa de mais. Ela quer carinho, atenção, demonstrações de amor. E isso para ele é demais.
Ela foi acostumada mal pelos namorados anteriores? Foi! E daí?
Mulher é diferente do homem, ela tem que ser mimada, paparicada. Mulher tem que ser manhosa. Cheirosa. Inteligente. Companheira. Claro que sim. Mas o pior de tudo é que pra ele tudo isso é frescura. E não é. Pelo menos pra grande maioria das mulheres não.


Hora de falar sério? Vamos falar, mas e as outras 23hs que nos sobram? Vamos ser felizes, rir, brincar, nós podemos! Estamos vivos!


Ta, ela pode ta sendo muito intransigente terminando sem tentar falar e esperar uma mudança? Pode ser. Mas ele mesmo deixa claro que tudo isso é futilidade. Mas aposto que são essas futilidades (carinho,brincadeiras,msgs picantes) é que apimentam a relação e a fazem durar.
Ter uma relação duradoura é lindo, mas nem sempre as duas pessoas estão felizes uma com as outra, apenas se acostumaram a situação, apenas a sociedade, os filhos, ou seja quem for, cobra que essa relação continue e faça bodas de ouro.


O namorado dela não é nem um pouco maleável, ele é assim e faz questão de deixar claro que NUNCA vai mudar por mulher nenhuma, diz que a ama sim, mas mudar o tornaria um fantoche nas mãos dela.
Ninguém é obrigado a nada, somos seres livres e escolhemos o caminho que vamos trilhar. Por isso ela não tenta conversar com ele sobre o que está fazendo falta na relação, o que ela precisa, merece!


Então ta. Fim. Acabou. The end. Game over.


Sofrendo ela está. Ele pode ser que esteja sentindo algo. Mas conheço minha amiga, ou ele reconhece tudo isso e aparece para dizer a ela. Ou sentença dada. Infelizmente, porque eles se gostam muito, eles se conhecem muito, se completam, riem muito junto, se conhecem só no olhar.


Será que o orgulho vence dessa vez???

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Danusa Leao



Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa,contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.
Uma só.
Quanto mais sofisticado o restaurante,menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência,
comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser,sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.
O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.
A vida anda cheia de meias porções,de prazeres meia-boca,de aventuras pela metade.
A gente sai pra jantar, mas come pouco.
Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual,mas tem que fingir que é difícil(a imensa maioria das mulherescontinua com pavor de ser rotulada de 'fácil').
Adora tomar um banho demorado,mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta.
Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo,mas tem medo de fazer papel ridículo.


Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD,esparramada no sofá,mas se obriga a ir malhar.
E por aí vai.
Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar',tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação...
Aí a vida vai ficando sem tempero,politicamente correta e existencialmente sem-graça,enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão...
Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado'.
Deixar de lado a régua,o compasso,a bússola,a balança
e os 10 mandamentos.
Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito.
Recusar prazeres incompletos e meias porções.


Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim:
"Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora".
Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem,podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete,
bombons de muitos sabores,vários beijos bem dados,a água batendo sem pressa no corpo,o coração saciado.
Um dia a gente cria juízo.
Um dia.
Não tem que ser agora.
Por isso, garçom, por favor, me traga:
cinco bolas de sorvete de chocolate,
um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Law and Order',

uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu,
embrulhado pra presente, OK?


Não necessariamente nessa ordem.


Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago.

Amiga Tarada



Ai que dia mais sem graça. Claro que agradeço muito esse dia, mas que ele ta sem graça ah isso ele ta.

Aí me vem a cabeça, uma certa amiga. Como pode ser tão confusa a coitada. Digo coitada no bom sentido, ela sabe e adora quando falo dela. Ela sabe que é dela que estou falando agora.
A menina é dominada pelos hormônios, mas de um tempo pra cá esses mesmos hormônios que a deixam lelézinha, também a deixam tarada, no sentido mais tarado da palavra.


Mas ela reclama! Reclama porque o namorado gosta da coisa mas não tanto quanto ela. Ele não tem tanta necessidade quanto ela. Umazinha durante o fds pra ele ta de bom tamanho, mas ela precisa de muito mais. Se fosse umazinha por dia...aiaiai
Gente que papo é esse né? Deixa eu parar, mas espero com todas as minhas forças que ele aceite o viagra que ela já insinuou dar para ele. Detalhe ele não tem 30 anos ta?


Mas cada pessoa é de um jeito e tem suas necessidades diferentes dos demais. Aconselhei a amiga da gente a procurar ajuda profissional, terapia, ou aquelas reuniões tipo AA(alcoólicos anônimos) mas para pessoas desesperadas por sexo.


Boa sorte amiga!

sábado, 12 de setembro de 2009

Escolhas


E a minha amiga. Lembram-se dela né. Ela e seu “problema monstro”. Na verdade canso de falar para ela que não é tão mal assim. Tem coisa pior por aí.


Mas e a indiferença? Ela me responde. A indiferença é que pega.



Mas não é indiferença, apenas ele não está acostumado com mulheres como ela, mulheres que querem mais, que merecem mais. Então ele dá o que já se acostumou, o que tem para dar no momento, a não ser que ele aprenda. Mas o que sempre digo pra ela, ele vai aprender da pior forma possível, ele vai aprender vivendo e conhecendo minha amiga do jeito que conheço já passou da hora dele ter visto que ela merecia mais.

Na verdade nem que ele não tivesse percebido, ele deveria fazer mais, ser mais.



É difícil pra ele também, a criação, a forma como aprendeu conta muito. Mas infelizmente quando ele acordar sei que será tarde. Infelizmente porque eles formam um casal tão lindo.

Gostam das mesmas coisas. Dos mesmos lugares. Das mesmas musicas. Dos programas de índio. Das comidinhas. Do chocolate vendo filmes. Do mesmo tipo de sexo.



Ai menina, sabendo tudo isso fica difícil dar qualquer palpite. Chega ser impossível encontrar uma pessoa com quem gostamos de fazer tudo. Será que todas as afinidades não superam os defeitinhos? Ou o contrário? Se for o contrário, pula logo desse barco, porque lá na frente você verá que aqueles buraquinhos que haviam nele farão toda diferença. Pode recomeçar, mas terá afundado.



Aí que ta, tem que ver o que você prefere, correr os riscos do naufrágio que pode não acontecer suportando agora essa tal “indiferença” aproveitando as afinidades, ou aproveitar as oportunidades de mudanças que estão batendo á sua porta, eu até digo que estão derrubando a sua porta.

Então é só uma questão de escolha.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Baguan Keliê


Are Baba!!!


To viciada nessa expressão indiana, entre outras que venho ouvindo ultimamente.











Mas como diria a Indira “baguan keliê” o que está acontecendo meninas? Parecem dois búfalos e não duas meninas, aliás duas meninas que eu adoro.

Como assim? Vocês nunca se entenderam vão se estranhar logo agora? Kkkk

Mas brincadeiras á parte vocês levantaram uma “lebre” e acho que me cutucaram pra falar sobre ela.





Janaina e Verônica esse post vai pra vocês!





Cerveja e
 Café.


Duas paixões brasileiras.



Não sou nenhuma entendedora de nenhuma das duas bebidas, mas como o blog é meu vou me atrever a falar algo sobre elas. Ou mais especificamente o "vem com elas".



Amo sentar num barzinho jogar conversa fora com amigos. O que pedimos? Uma cerveja bem gelada e o papo começa a fluir, as vezes até demais, porque a cerveja vai destravando nossa língua e soltamos tudo, porque destrava no nosso cérebro o sentimento vergonha, timidez, falamos muitas vezes o que num momento sóbrio não falaríamos. Mas ninguém lá está obrigado a beber até perder a noção, mas as vezes nem percebemos que a perdemos e quando vemos já soltamos tudo e num volume que só estando sóbrio para perceber.



Quantas vezes olhamos a moça da mesa ao lado falando aos berros rindo como uma hiena no alto falante e pensamos: será que eu fico assim, insuportável? Fica! Pode ter certeza.

No mínimo você pode não rir ou gritar como ela, mas se torna a chata, querendo falar de coisas que não interessa, ou chora quando observa uma formiguinha na mesa sendo esmagada por um copo de alguém menos atenta que você,vira a galinha e dá bola até para o garçom desdentado se ele não sorrir pra você, ah e não posso me esquecer da que vira dançarina profissional e dança sem pudor algum as cinco velocidades do créu, e aquela que bebe bebe bebe e depois fica morrendo de medo de que pensemos mal dela e fica se justificando a toda hora que tem profissão, que é estudada, que quando esta no trabalho é outra pessoa...bla bla bla (lembraram de alguém meninas?)

Pra mim é indispensável essa cervejinha quando entro numa balada, porque sou tímida e literalmente viro uma árvore se não beber um pouquinho para descontrair, me soltar.




Ah mas como é bom você ter amigos de verdade e que te conhecem e poder tomar umas com eles, porque assim se algum fato desagradável acontecer no pós cerveja, eles vão te aturar, te levar pra casa, e no outro dia pode ter certeza de que vão te passar aquele sermão, mas te zuar tanto depois, e depois vão todos numa próxima relembrar e será motivo para rirem um pouco mais juntos.

E isso é muuuiiito bom!!!





Ahhh mas agora eu descobri tudo isso mas com o café! Que delicia!

Não me entendam mal, não é simplesmente ir a algum lugar, pedir uma xícara de café tomar e sair.
É um ritual.



O café mesmo no final das contas foi um acessório, vira até um mero detalhe na coisa toda. Mas tem que saber tomar café, tem que ir descobrindo aos poucos o que ele nos oferece além dele e ir desfrutando, sem medo de ser feliz.

As conversas são outras, não falamos coisas sem nexo ou qualquer abobrinha porque não existe o álcool, existem os livros, e olha que delícia me ver rodeada por eles, sempre gostei de ler, mas agora, eu literalmente viciei.




Os papos são descontraídos, ninguém tem obrigação de soltar algo fenomenal na mesa, mas aí que ta, o fenomenal surge.

As risadas são realmente por algo engraçadissimo que acontece sim e você está totalmente sóbria para aproveitá-lo da melhor forma possível.



As pessoas se cumprimentam, mas ninguém ali está no desespero de ser sexy, ninguém ali está desesperado por uma paquera, se ela surgir será tão inusitada e gostosa por conta do inesperado.





No café vamos encontrar pessoas assim como no bar, mas é outra coisa, é gostoso e ao mesmo tempo surpreendente, sim porque a cada dia novas coisas surgem, novas pessoas, novos papos, e isso fica na gente. Vou embora pensando em tudo o que aconteceu, nas “lebres” levantadas, no próximo livro, nas frases engraçadas e filosóficas que surgiram. Das “viajadas conscientes” que damos sobre assuntos relevantes, legais, engraçados mas que não passam nem perto de uma mesa de bar. É muuuiiito bom também.




Comparar não dá. Escolher também não.

Depende do dia.

Depende da companhia.

Da vontade de que.

Da sensação que quer sentir.

E que sensação...

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Complicado


Hum tempinho chuvoso, só você para me inspirar e fazer brotar palavras pelos meus dedos.
Tanta coisa me vem a mente, até mesmo a entrevista que ouvi no pânico hoje(ouvinte assídua).

Já falei de uma amiga aqui né? Alias minha melhor amiga, ás vezes entramos em conflito, quero uma coisa ela faz outra.
Mas é sempre em mim que ela procura respostas e conforto para lidar com certas situações que a vida lhe oferece.

Essa amiga está confusa, mas olhando de fora parece tão simples!
Eu queria ter os problemas que ela tem, as decisões que ela precisa tomar vistas de fora são tão fáceis! Mas não para ela! Mas não para quem está vivendo a dura tarefa de uma escolha para muitos anos da sua própria vida!

Eu era tão prática, me lembro dizendo na adolescência para minha mãe até com um certo deboche, quando ela queria me fazer ver que meu namorado “não servia pra mim”: - “Ué mãe, quanto drama, se casar e não der certo é só separar”.

Tadinha de mim. Que pensamento aborrecente. Quanta inconseqüência!

É difícil. É sim muito difícil uma separação, mesmo que não seja um casamento. Ouso dizer que algumas separações de casamento são mais aliviantes do que sofridas. Cada caso é um caso.

Mas minha amiga está sofrendo.

Ela não consegue perceber o que eu percebo.

Ele não te dá o valor que você merece e precisa??? Problema dele!!!

Ela merece sim, mais atenção, mais carinho, mais afeto, mais tudo! Mas ele a ama! Ele faz o que aprendeu, até onde o homem pode ir, passou daí ele parte para um terreno perigoso pra ele, e ele não está disposto a correr riscos! Ele sabe até onde “pode” se entregar. E tem o sangue frio necessário para não ultrapassar esse ponto.

Mas e ela? Ela se jogou de cabeça. Pouco importa até onde ela deveria demonstrar o que sente. Ela sente. Ela demonstra.

Ela se jogou na relação sem medo de sofrer, sem medo do “mas e se...”?

Ela foi sincera, mas ele também. Em momento algum ele disse uma coisa e fez outra. Apenas ele não falou, assim não tem como haver “cobrança”. Mas no AMOR não há que se ter cobranças,
ou é ou não,
ou está bom ou não,
ou estamos juntos, com as mesmas perspectivas ou não.

Disse para ela falar com ele a respeito. Mas, falar? O que? Pra que?
Pode ser que algo mude, mas assim ela não quer, ele tem que perceber. Ele sabe. Se não faz mais e se cala é porque é interessante para ele manter as coisas justamente da forma que está, sem mudança alguma.

Amiga, ta difícil dar qualquer opinião sem “meter a colher em briga de marido e mulher”.

Pense.
Pense.
Pense.

Amizade

(ola, não sei quem escreveu esse email, mas recebi da minha cunhadinha e amiga jana e compartilho aqui, as imagens vieram nele mas algumas eu peguei no google)
 Quando eu era pequena, acreditava no conceito de apenas UMA melhor amiga para toda a vida.

Depois, como mulher, descobri que se você permitir que seu coração se abra,
você encontrará o melhor em muitas amigas.


É preciso uma amiga quando você está com problemas com seu homem.
É preciso outra amiga quando você está com problemas com sua mãe ou irmã.
Uma quando está se sentindo muito gorda, ou muito magra,
muito alta ou muito baixa...

Uma outra quando você quer fazer compras, compartilhar, curar, viajar, rir, ferir, chorar, meditar, brincar, ir ao cinema, ao teatro, ir ao salão de beleza, se divertir na praia ou apenas ser você mesma.
Uma amiga dirá 'vamos rezar', uma outra 'vamos chorar',
outra 'vamos lutar', outra 'vamos fazer compras', outra 'vamos fugir',







outra 'vamos saltar de pára-quedas'...
Outra 'vamos numa vidente', ou 'vamos tomar um porre',
outra 'vamos paquerar', outra 'vamos para um SPA', ou...
'vamos abandonar tudo e dar a volta ao mundo numa grande aventura!!!'

Uma amiga atenderá às suas necessidades espirituais,


sempre saberá dar o melhor conselho e você sentirá

que é uma resposta divina...
Uma outra amiga atenderá à sua loucura por filmes, livros e DVD´s


uma outra à sua paixão por sapatos ou bolsas...

Uma outra por perfumes, jóias, velas ou incensos,




uma outra por cultura, aventuras e viagens...
Uma outra amiga atenderá seu desejo por chocolates,
outra por quadros, decoração, outra por música e dança...
Outra enviará uma resposta que você precisa por email,
outra estará com você fisicamente em seus períodos confusos,
outra estará a milhares de KM,
mas dará um jeitinho de se fazer presente...
Outra será seu anjo protetor e uma outra será como uma mãe.

Mas onde quer que ela se encaixe em sua vida,
quer você a veja pessoalmente ou não, independente da ocasião,
quer seja o seu casamento, ou apenas uma segunda-feira chuvosa,
todas são suas melhores amigas e estarão presentes como puderem.

Elas podem ser concentradas em uma única mulher ou em várias...
Uma do ginásio, uma do colegial, várias dos anos de faculdade...
Umas da academia, outras do clube, outras daquela viagem...
Algumas de antigos empregos, algumas da igreja ou da Yoga...
Outras da internet, outras amigas de suas amigas,
ex cunhadas, ex rivais, ex chefes ou ex colegas...
Pode ser até mesmo aquela escritora famosa que te ajuda

através de um bom livro ou de um programa na TV...
Em alguns dias uma "estranha" que acabou de conhecer
e em outros até mesmo sua filha ou neta.

Pode ser ainda sua irmã, cunhada, prima, tia, madrinha,
mãe, vó, bisa, vizinha...
Enfim, as possibilidades são infinitas!
Assim, podem ter sido 30 minutos ou 30 anos

o tempo que essas mulheres passaram e fizeram a diferença em nossas vidas,
elas sempre deixam um pouquinho delas dentro da gente!
Muito obrigada por fazer parte do círculo de mulheres maravilhosas

que eu tenho o prazer de conviver e que fizeram e ainda fazem a diferença em minha vida.
Amo todas vocês, independente do nível de amizade
e com a intensidade que até mesmo a distância ou o tempo não diminuem!
E se precisar de mim,
saibam que estarei aqui,
a apenas um email de distância...